A Taça de Portugal, em todas as épocas, e em qualquer eliminatória, proporciona sempre o "feitiço", de encontrar na sua trajectória, e ao longo desta competição, sempre um ou outro tomba-gigantes. E, nesta época de 2016/17, e na sua terceira eliminatória, não fugiu a essa regra e proporcionou, como sempre tem vindo a acontecer, ao longo da história deste troféu mais quatro tombas gigantes. A Académica de Coimbra a militar na II Liga, eliminou o CF "Os Belenenses" da I Liga por 2-0. Por sua vez o Santa Clara dos Açores a militar na II Liga, afastou o europeu Rio Ave FC, a militar na I Liga, ao ganhar por 4-2 (a.p.) depois de ser registado no final do tempo regulamentar um empate por 1-1. As surpresas desta terceira eliminatória não se ficaram por aqui. Mais um clube que está a disputar a I Liga o Moreirense, foi de visita a Vizela, a militar na II Liga e afastou a equipa de Moreira de Cónegos, ao ganhar por 1-0, finalmente mais um clube a militar na I Liga o Arouca e outro europeu desta época que foi eliminado pelo Real de Massamá, clube a disputar o campeonato de Portugal (praticamente representa a III Divisão), e perdeu por 1-0.

Por fim e como nota final de resultados desta terceira eliminatória o Santa Iria, única equipa "sobrevivente" dos campeonatos Distritais nesta terceira ronda da Taça de Portugal, caiu no seu reduto, frente ao Vitória de Guimarães, equipa da I Liga, não sem contudo ter dado a devida luta, como espelha o resultado tangencial de 2-1, a favor dos minhotos.

A Taça de Portugal, a eliminar num só jogo, isto é, sem haver hipóteses dos clubes perdedores de terem hipóteses de se redimirem num segundo encontro, torna esta competição, a segunda prova oficial do panorama do calendário do futebol português, a ter mais encanto e por vezes algumas surpresas algo inesperadas, pois nestes jogos e em qualquer eliminatória há sempre um ou mais tomba-gigantes, numa esquina qualquer à espreita para assim poderem brilhar e tornar esta prova cada mais vezes Esta foi eliminatória que com o afastamento de quatro clubes da I Liga; o Arouca; o Belenenses, o Moreirense e o Rio Ave. Esta, Taça de Portugal e principalmente esta eliminatória, teve mais encanto e como tal torna-se em todas as épocas desta competição torna-se sempre apelativo e cheia de interesse recheada quase em todas as épocas de surpresas, algumas inesperadas. Assim, sim cheira efectivamente a Taça de Portugal.


Autores: Mário da Silva Jesus, 63 anos, reformado