Entrada em campo

Nuno Farinha

Nuno Farinha

Diretor adjunto
Nuno Farinha

Borussia de outro mundo

O jogo de Alvalade acaba por ser uma desilusão para o Sporting. Era fundamental, de facto, um desfecho diferente para se continuar a alimentar o sonho dos ‘oitavos’ e a verdade é que defrontar um Borussia Dortmund que tinha um dezena de jogadores indisponíveis não deixava de ser uma oportunidade única. A história do jogo, afinal, mostrou que Jorge Jesus precisava mais de Adrien do que Tuchel dos 4 ou 5 titulares que ficaram na Alemanha. E esta constatação pode até ser lida como um sinal de preocupação: os leões fizeram no último defeso o maior investimento de sempre e, como se vê, há coisas que continuam por resolver. É verdade que estamos a falar da Champions ao mais alto nível e de um adversário que, mesmo sem alguns dos principais craques, não deixa de ser uma superpotência. A qualidade do extraordinário projeto do Dortmund está num patamar acessível a poucos. Jesus prometeu que o Sporting iria lutar pela qualificação, mas vai ser difícil conseguir cumprir. Enquanto for possível, no entanto, vale a pena acreditar.

Saborosa reviravolta do FC Porto na Bélgica, que tirou o dragão do fundo do poço para o voltar a colocar na rota dos oitavos-de-final desta Liga dos Campeões. Foram as alterações desenhadas por Nuno Espírito Santo a mudar a história do jogo: a equipa cresceu de forma notória com as entradas de Brahimi e Corona e o penálti concretizado por André Silva, em cima da hora, não foi mais do que um ato de justiça.

A 3.ª feira europeia ficou ainda marcada por um confronto interno: Bruno de Carvalho comentou os recentes desenvolvimentos no caso dos vouchers. Fê-lo em conferência de imprensa exatamente à mesma hora em que Rui Vitória fazia a antevisão do D. Kiev-Benfica e também – já agora – a poucas horas de ter início o Sporting-Dortmund. Champions não rima com trégua.

19.10.2016
M M