João Sousa subiu um lugar no ranking mundial e fixou-se na 33.ª posição na lista publicada esta segunda-feira, que continua a ser liderada pelo sérvio Novak Djokovic.

Para esta subida terá contribuído a prestação do número um português no torneio de Tóquio, há duas semanas, onde chegou aos quartos de final, uma 'embalagem' que o jogador luso desaproveitou na última semana, em Xangai, China, onde foi eliminado à primeira.

Enquanto Gastão Elias manteve a 61.ª posição na hierarquia, Pedro Sousa 'galgou' mais quatro lugares na classificação mundial, surgindo hoje na posição 188, a sua melhor classificação de sempre.

Nas duas últimas semanas, Pedro Sousa foi somando vitórias preciosas em torneios challenger (segundo escalão) para reforçar a sua condição de top 200.

Em Campinas, chegou às meias-finais, tendo sido afastado pelo argentino Carlos Berlocq, campeão da última edição do Portugal Open, em 2014. Uma semana depois, chegou aos quartos de final de Buenos Aires.

No cimo da tabela, o britânico Andy Murray, que no domingo venceu o Masters 1000 de Xangai, aproximou-se de Djokovic e ainda mantém a esperança de terminar o ano na liderança do ranking.

Com a vitória na China, Murray, que há uma semana tinha menos 3.695 pontos que o sérvio, reduziu o 'fosso' para 2.055 pontos para o sérvio (perdeu nas meias-finais do mesmo torneio), uma margem que permite ao britânico pensar ainda em chegar ao final da temporada no 'trono' do circuito.

Ainda no top 10, o canadiano Milos Raonic, semifinalista no torneio de Pequim, subiu à quarta posição, igualando o seu melhor ranking de sempre.

Em femininos, a alemã Angelique Kerber, que há um mês quebrou a hegemonia da norte-americana Serena Williams, continua segura na liderança do ranking mundial, isto apesar de ter sido eliminada na última semana nos quartos de final do torneio de Hong Kong.

A portuguesa Michelle Larcher de Brito subiu um lugar e ocupa esta semana a posição 225.

Autor: Lusa