O GP de Singapura foi mais um que não correu de feição à Ferrari, mas há um pormenor que escapou a alguns seguidores da F1, o qual demonstra que a escuderia italiana começou com o 'pé esquerdo' bem cedo na 15.ª ronda do Mundial.

O pormenor nada teve que ver com competição ou logística, devendo-se antes a um vício que Maurizio Arrivabene, diretor desportivo da Ferrari, não consegue largar, o tabaco. Depois de fumar um cigarro, o antigo vice-presidente da Philip Morris, multinacional multinacional norte-americana atirou a beata para o chão, o que repesenta uma grave infração naquele país.

O ato do principal responsável pela escuderia da marca italiana foi testemunhado por agentes da autoridade, que o detiveram durante seis horas - teve ainda de pagar uma multa de 1000 dólares de Singapura, 657 euros.


Os pilotos da Ferrari terminaram a corrida no quarto (Kimi Räikkönen) e quinto (Sebastian Vettel) lugares, depois de problemas mecânicos no carro de Vettel na qualificação e de estratégia com Räikkönen, no decorrer da prova.