O dia no Fórum Nacional do Desporto não terminou sem que Lenine Cunha, atleta paralímpico, fosse homenageado com o prémio de carreira, graças às 183 medalhas internacionais conquistadas ao longo da carreira. Uma história de sucesso que começou em 2000 e que o torna no atleta mais medalhado do Mundo.

"São 183 medalhas, mas não quero ficar por aqui. O meu objetivo é chegar às 200. Apesar de todas as dificuldades, é este tipo de reconhecimento que me faz acreditar que tudo é possível", frisou o campeão, de 33 anos.

Sem medalha nos Jogos Paralímpicos do Rio, Lenine ficou pela primeira vez em ‘branco’ numa competição internacional, mas relembrou a lesão sofrida em junho, no Europeu. "Fiquei perto do bronze, mas já sabia que era difícil trazer uma medalha. A lesão tirou-me um mês e meio de treinos e isso fez a diferença", disse.