Depois de se retirar do circuito mundial, o melhor surfista português de sempre abraçou um novo projeto: contar a sua história no grande ecrã. E fá-lo através do documentário ‘Saca - O filme de Tiago Pires’, que teve a sua antestreia no CCB esta segunda-feira e que vai estar nas salas nacionais em novembro. "É um sonho, um projeto grande, que demorou quase um ano e meio. Estou muito contente por mostrá-lo", admitiu. "Espero que a minha história seja inspiradora para os mais jovens", deseja o surfista, que mostra mais do que o seu percurso. "Abordamos outros temas como o surgimento do surf em Portugal, a história da modalidade no nosso país, o futuro do surf, mas também o lidar com derrotas, o ter de parar de competir e os perigos do surf", descreveu.

Tiago Pires dá a conhecer como a ambição de menino se concretizou. "Guardo muitas memórias incríveis. Quando era criança, com 10 anos, sonhava ser profissional de surf, o que parecia tão distante e longínquo. Hoje olho para trás e foi quase como viver o sonho de criança", lembra, destacando o "esforço e dedicação" que deu à modalidade. "Saiu-me do pêlo. Foi muito difícil chegar onde cheguei", constatou. "Acho que o meu contributo foi bastante importante para a história do surf em Portugal. Abri uma porta e hoje as pessoas já acreditam neste tipo de percurso, neste tipo de carreira", congratulou-se. E exemplo disso é Frederico Morais, que considera ‘Saca’ um irmão. "Incentiva-me muito, faz-me querer ser melhor todos os dias. Foi o único surfista português no WCT e é onde eu quero chegar. É uma pessoa que nos dá muito e que nos inspira muito", elogiou o surfista.

Uma opinião partilhada por Garrett McNamara: "É um atleta espetacular. Um exemplo para todos nós. Uma lenda viva". O norte-americano descreveu ainda ‘Saca’ como um atleta "preciso, radical e focado". Para o atual campeão do Mundo, Adriano de Souza, o português é um amigo e também uma "referência como atleta". "Carregou a bandeira de Portugal durante muitos anos", destacou o surfista.


Matilde, a mulher de Tiago Pires, acompanhou todo o processo do filme e mostrou-se "muito orgulhosa" com o resultado final. "Ele é muito competitivo e acho que encarou este projeto como mais uma competição", refere, confiante numa "receção espetacular" ao filme, um trabalho assinado por dois jornalistas especializados em surf, Júlio Adler (Brasil) e João Valente (Portugal).

"Há talento de sobra"

Uma referência para os mais novos, Tiago Pires salientou o potencial dos jovens surfistas. "Há talento de sobra. Hoje em dia os miúdos são muito melhores do que eu quando tinha a idade deles", considerou, destacando alguns nomes do panorama atual da modalidade. "Há nomes que saltam à vista como Afonso Antunes, Joaquim Chaves. O Frederico Morais e o Vasco Ribeiro já são um pouco mais velhos, já estão a chegar a uma fase em que tem de provar já e estão a fazer um bom trabalho", elogiou Tiago ‘Saca’ Pires.

Temas