À 5ª jornada da liga francesa, o Nice tem o melhor registo dos últimos 39 anos – em 2002/03, por esta altura, era líder mas, ainda assim, com menos um ponto – e, curiosamente, tal como em 1977/78, o líder isolado também era o Monaco. Amanhã, os rivais defrontam-se no Allianz Riviera e Ricardo Pereira, lateral do Nice, só pensa num resultado, embora elogie os compatriotas do principado.

"Vamos tentar ganhar sabendo que é um jogo difícil mas é em nossa casa e não podemos pensar noutra coisa que não a vitória. Não temos receio, embora saibamos que o Monaco de Leonardo Jardim efetuou um grande arranque e o Bernardo [Silva] tem feito toda a diferença. Espero que ele não esteja tão inspirado contra nós", disse Ricardo a Record, não hesitando em responder a nova questão: "E se eu decido o dérbi? Seria ótimo, mas o mais importante é ganhar. Só pensamos na vitória."

Apesar de o Nice ter perdido o treinador Claude Puel [rumou ao Southampton], o clube de sul de França contratou Lucien Favre (ex-B. Mönchengladbach) e os resultados estão à vista. "É um treinador experiente e conversa connosco sobre o que temos de fazer. Estou contente com este arranque e precisamos de manter a consistência que apresentámos nestas primeiras jornadas", disse.


Futuro risonho

Questionado sobre até onde é que o Nice pode chegar esta temporada, mesmo a nível europeu – arrancou na Liga Europa com uma derrota caseira (0-1) frente ao Schalke 04 –, o internacional português, de 22 anos, prefere... esperar. "É muito cedo ainda para fazer projeções para a época. Há que pensar no presente e no jogo seguinte, em que temos de dar sempre tudo o que tivermos. Mas se a equipa continuar assim, o futuro pode ser risonho, sem dúvida", considerou Ricardo.

Autor: Hugo Neves