Que melhor prenda para festejar o aniversário? Marco Paixão, que fez ontem 32 anos, continua a mostrar que os problemas físicos da temporada anterior estão ultrapassados, sendo uma das peças mais influentes do Lechia Gdansk, uma das três equipas com 19 pontos no topo do campeonato polaco, numa época em que a aposta é ambiciosa. "O pensamento é ganhar tudo", explicou o avançado português, que marcou no triunfo complicado frente ao Lech Poznan (2-1).

"Este ano houve uma clara mudança de mentalidade. A direção apostou forte na construção de um plantel equilibrado. Há um enorme esforço para colocar o Lechia no topo. Acredito que esta época temos melhores condições para atingir objetivos mais elevados. Sentimos que estamos no início de uma nova era", observou Marco Paixão, que tem a companhia do irmão gémeo Flávio, com quem tem enorme sintonia também no campo: "Até nesse aspeto esta temporada está diferente, para melhor. Combinamos muito bem no relvado, já marcámos após assistências de ambos, e temos contribuído para o espetáculo."

Como consequência das boas exibições no campeonato, os adeptos têm aumentado no estádio. "Ainda agora batemos o recorde de espectadores. Há uma atmosfera muito positiva em redor desta equipa e sente-se isso nos jogos e até nas ruas. Somos uma equipa muito difícil de bater em casa. Os nossos adversários sabem que é complicado saírem daqui com pontos, porque há uma aposta forte em ganhar os jogos em casa. Não sabemos se vamos chegar ao fim assim, mas estamos no bom caminho. Sabemos que equipas como Legia ainda vão melhorar e temos de manter o nosso ritmo", analisou o atacante, que viu nos últimos dias do mercado chegar a Gdansk o jovem João Nunes (ex-Benfica), o luso-canadiano Steven Vitória e ainda o búlgaro Slavchev (ex-Sporting).

Autor: Diogo Jesus