Paulo Sousa tem, por agora, a continuidade assegurada no banco da Fiorentina, mas a situação pode alterar-se radicalmente consoante aquilo que suceder nos jogos com o Slovan (5ª feira) e Cagliari (domingo), ambos fora de casa. Pantaleo Corvino, diretor geral dos viola, coloca água na fervura, mas a verdade é que alguma imprensa já começa a avançar com o nome de Stefano Pioli, ex-Lazio, como potencial sucessor do português.

O problema da Fiore é a escassez de pontos (soma 9 à 7ª jornada, enquanto no ano passado liderava com 18) e golos (totaliza 6, sendo o 3º pior ataque da Serie A). A prioridade passa por reconquistar o hábito de vencer (só 1 triunfo nos últimos 5 jogos) e alterar o padrão de jogo, lento e previsível. Nada está hipotecado, pois uma nova qualificação para a Europa só está à distância de 5 pontos.