Miguel Vítor é nesta altura um homem feliz em Israel. Cerca de três meses depois de ter rubricado o contrato com o Hapoel Be’er Sheva, o central viveu um dos momentos mais marcantes da sua carreira, ao contribuir diretamente para a surpreendente vitória da equipa de Barak Bakhar, por 2-0, no terreno do Inter, em jogo inaugural da fase de grupos da Liga Europa.

"Foi um golo muito especial. Por ser o meu primeiro no clube, na Liga Europa e num estádio lindo como o Giuseppe Meazza. Além disso, foi um golo que abriu caminho à vitória da equipa e isso foi o mais importante. Fizemos um grande jogo e fiquei muito contente por ter conseguido ajudar", referiu o jogador, de 27 anos, em declarações a Record.

Num grupo onde constam também o Southampton e o Sparta Praga, o triunfo israelita acabou por ganhar uma maior dimensão. "Preparámos bem o jogo durante a semana. Estudámos os pontos fortes do Inter, mas também os aspetos que poderíamos explorar. Sabíamos que eram favoritos, em termos individuais melhores que nós, mas acreditámos que, se fizéssemos um bom jogo em termos coletivos, poderíamos conseguir uma surpresa", explicou o ex-jogador do Benfica, sublinhando: "Não foi uma vitória de sorte! Procurámos jogar, criámos as cinco ou seis oportunidades de golo e o Inter só teve duas ou três. Foi uma grande vitória! Até tivemos um reconhecimento dos adeptos do Inter, que no final nos aplaudiram pelo que tínhamos feito."


Focado
Satisfeito com estes primeiros tempos com a nova camisola, Miguel Vítor mostra-se confiante nesta nova época. Finalizada a aventura de três anos nos gregos do PAOK, o central procura realizar uma grande temporada, fixar-se como um dos pilares do Hapoel Be’er Sheva e voltar a conquistar títulos. No horizonte está outro objetivo pessoal: chegar à Seleção Nacional.

Autor: Fábio Aguiar