Foi dado esta quarta-feira em Londres o pontapé de saída do Euro'2020. Na cerimónia realizada na capital inglesa e que contou com a presença do novo presidente do organismo que superintende o futebol europeu, Aleksander Ceferin, foi ainda revelado o logotipo da competição, que irá decorrer em moldes muito diferentes do habitual.

Em 2020 celebram-se os 60 anos do Campeonato da Europa de futebol e, para assinalar esta data, o torneio será compartilhado por 13 cidades, espalhadas por todo continentes, o que dará assim a possibilidade a muitos mais adeptos da modalidade associarem-se ao evento. Independentemente da sua nacionalidade, raça, credo ou religião.

Aliás, o símbolo/logotipo da prova faz uma alusão a esse facto, inserindo junto ao troféu uma ponte, a icónica 'London Bridge', que representa a ligação, a união, a conexão entre os diversos povos da Europa. Claro que uma das cidades que acolhem os jogos terá o seu próprio logotipo, mas a ideia-base é clara: o futebol une as pessoas.


Naquela que foi a sua primeira aparição oficial como presidente da UEFA, Aleksander Ceferin descreveu Inglaterra como o "mítico berço do futebol" e não escondeu o orgulho por poder ser o primeiro a levar o desporto-rei a tantas cidades e países em simultâneo.

Na cerimónia, que decorreu no 'London City Hall', a destacar ainda as presenças do presidente da câmara de Londres, Sadiq Khan, do selecionador inglês, Sam Allardyce, do antigo guarda-redes de Inglaterra, David James, e dos presidente e CEO da federação inglesa, Greg Clarke e Martin Glenn, respetivamente.

Cidades envolvidas

Lisboa e Madrid, as capitais ibéricas, assim como Paris, que acolheu a última final da principal competição continental, a nível de seleções, ficam fora do roteiro do Euro'2020, que se disputará nas seguintes cidades: Glasgow, Dublin, Londres, Bilbau, Amsterdão, Bruxelas, Munique, Roma, Copenhaga, Budapeste, Bucareste, S. Petersburgo e Baku.



Autor: João Lopes