Os sócios do V. Setúbal reprovaram em assembleia geral realizada ontem, e que entrou pela madrugada, as contas de 2015 que aumentaram o passivo do clube em 252.109 euros para um total de 16,54 milhões, confirmando os valores noticiados por Record na edição de quinta-feira.

Entre os 120 sócios votantes presentes no Pavilhão Antoine Velge aquando do sufrágio, 58 mostraram-se contra o Relatório e Contas e registaram-se ainda 33 abstenções, contra apenas 29 votos a favor. O documento foi, portanto, chumbado, a exemplo do que sucedeu depois com o orçamento para o biénio 2016/17 (neste caso os votos contra foram 68 mais 23 abstenções).

O presidente da SAD, Fernando Oliveira, usou da palavra na fase inicial dos trabalhos, delegando depois em Afonso Luz (líder da AG) e Fernando Dias (advogado envolvido nos PER) as explicações aos associados. Além de vários pedidos de demissão de Frederico Nascimento, presidente da mesa da AG, as críticas mais severas foram dirigidas ao atual líder por Júlio Adrião, candidato derrotado em 2014. "Esta direção é um ‘flop’ autêntico. Não estão cá a fazer nada, têm de sair", afirmou, sendo aplaudido pelos associados. A AG terminou às 01.15 horas, com a direção a ser vaiada por se recusar a prestar esclarecimentos.


Autor: Ricardo Lopes Pereira