Rodolfo Reis admitiu este domingo, no programa 'Play-Off' da SIC Notícias, que Jorge Jesus é, na realidade, "o melhor treinador", embora não devesse ser o técnico a dizê-lo, já que fica exposto às críticas de todos aqueles que "não gostam dele".

"O Jesus esteve muito bem, quando disse: 'As equipas treinadas por mim são as melhores.' Gosto de quem fala assim. Agora quem não gosta do Jesus vai ter a possibilidade de, daqui a um, a dois ou a quatro meses, chegar e dizer: 'Então, oh Jesus? Come com isto, come com aquilo... Porque, afinal, falas de mais!' Eu não. Eu gosto de quem fala, de quem não é cobarde, de quem assume as suas coisas", argumento o comentador afeto ao FC Porto, insistindo na tese de que os elogios deveriam partir de outras pessoas.

"As pessoas devem dizer o que pensam, são livres de dizer o que lhes vai na alma. Depois sujeitam-se a ser analisados. Também acho que ele diz coisas que deviam ser os outros a dizer. 'Eu sou o melhor treinador...' Ele não devia dizer assim tão preto no branco", argumenta Rodolfo Reis, acabando por admitir fazer parte do grupo daqueles que apreciam as qualidades do treinador do Sporting.


"Na realidade, o Jesus é o melhor treinador, não tem pejo nenhum em afirmá-lo. Agora, eu penso que quem não gosta do Jesus tem a possibilidade de ir para cima dele. Então que vão!", sugere o antigo futebolista dos dragões, que confrontado com o inquérito telefónico que responsabiliza o treinador pela derrota do Sporting em Vila do Conde, avança uma explicação.

"Sem ser advogado, queres que eu te diga o que se está a passar? São os benfiquistas que estão a aproveitar esta fase menos boa que o Sporting passou e que está a passar e que estão ali em cima do Jesus", advogou Rodolfo Reis.

Em relação à partida de Vila do Conde, o comentador do 'Play-Off' destacou o papel desempenhado por Nuno Capucho e pelos jogadores do Rio Ave.

"Grande mérito do Rio Ave. O Nuno Capucho é uma pessoa de quem gosto e simpatizo e tenho seguido a sua carreira com muita atenção. O seu discurso, antes do jogo foi muito elucidativo. Disse que ia jogar olhos nos olhos com o Sporting, tentar ter posse de bola e emitar aquilo que o Sporting fez em Madrid", recordou o comentador afeto ao FC Porto no programa "Play-Off", da SIC Notícia, argumentando que os jogadores cumpriram na perfeição aquilo que lhes foi pedido.

"Encontrámos uma equipa assim. Os jogadores interpretaram o que treinador lhes disse, acreditaram e mereceram este resultado. Houve jogada muito bonitas e muito bem delineadas. Mérito ao capucho e aos seus jogadores", reforçou o antigo técnico de futebol, concordando com Augusto Inácio, quando este afirma que os jogadores do Sporting não conseguiram mudar o 'chip' entre o jogo de quarta-feira, em Madrid, e o de domingo, em Vila do Conde.

"Concordo com o Inácio. Uma equipa que joga a Liga dos Campeões e, depois, defronta um adversário de menor dimensão, relaxa, não entra forte, facilita a vida ao opositor, pensando que mais cedo ou mais tarde o golo há-de aparecer. Depois, quando sofre um golo, já é tarde, pois a outra equipa já está galvanizada", reconheceu o antigo futebolista do FC Porto, acrescentando: "Acabou por ser um bom jogo de futebol. Mérito muito grande para o Rio Ave."

Autor: João Lopes