A exibição de Gelson Martins na 1.ª jornada do Grupo H da Liga dos Campeões, em pleno Estádio Santiago Bernabéu, teve o dom de despertar os gigantes do futebol europeu para o facto de em Alvalade morar um dos mais promissores extremos do futebol mundial.

Com 21 anos, o camisola 77 do Sporting tem uma margem de crescimento impossível de determinar nesta fase e emblemas com Manchester United, Chelsea, West Ham, Manchester City ou mesmo Real Madrid estão conscientes de que 'pescá-lo' agora poderia constituir um excelente negócio.

Não tanto pelo valor que lhe foi atribuído na última renovação de contrato - 60 milhões de euros é o que consta da cláusula de rescisão -, mas sobretudo pelo salário que o extremo nascido em Cabo Verde aufere, anualmente: 120 mil euros brutos.


A imprensa inglesa parece incrédula quando confrontada com um talento que recebe menos de 2.000 libras por semana - lá, os salários são calculados semanalmente - e os meios de comunicação social espanhóis vão mesmo ao ponto de procurar um paralelo entre o ordenado de Gelson Martins e os de 'ilustres desconhecidos' com ligação ao Real Madrid.

O 'As' aponta os exemplos de Odegaard, cujo contrato está registado pelo Castilla, a equipa B dos merengues, que recebe qualquer coisa como dez vezes o salário de Gelson Martins, ou seja, 1,2 milhões de euros/ano; e de Yañez, cuja folha salarial multiplica por cinco a do extremo do Sporting (600 mil euros/ano)

Com uma diferança: Odegaard realizou um encontro pela equipa principal do Real Madrid, estreando-se com 16 anos; Yañez nunca foi utilizado na formação principal dos blancos.

Em contrapartida, Gelson Martins é uma das pedras basilares da equipa de Jorge Jesus, que, no início da época 2015/16, o incluiu no plantel principal e, desde então, o utilizou em 48 ocasiões, nas quais obteve 9 golos.

Autor: João Lopes