O regresso de Elias ao Sporting teve dedo de Jesus. O médio brasileiro, numa entrevista ao Globoesporte, revelou que o atual técnico foi decisivo na decisão de deixar o Corinthians, até porque o interesse era antigo... e vem do outro lado da Segunda Circular.

"Eu sempre tive como objetivo voltar à Europa e sabia que isso teria de acontecer até aos 32 anos, no máximo. Isto apanhou toda a gente de surpresa, o interesse do Sporting e do treinador. Ele já queria contar comigo quando estava no Benfica", revelou.

O internacional brasileiro, atualmente com 31 anos, confessou também que tinha uma proposta da China de valores "absurdos". "Mas voltar para a Europa era o meu objetivo, pois posso disputar a Champions e ter boa visibilidade para a seleção", justificou.

Olhando para trás, Elias comparou o atual Sporting com o clube que deixou em janeiro de 2013. "A grande diferença que eu senti é a ambição por títulos. Desde dirigentes, a treinadores e jogadores, estão todos com um brilho nos olhos, que se vê nas entrevistas e nas decisões que são tomadas. Estamos a trabalhar muito para conquistar títulos. É difícil, porque aqui, se perder um jogo, pode fazer a diferença na luta pelo título. Mas estamos bem encaminhamos, temos uma ótima equipa", afirmou.

Garantindo que os problemas com Bruno de Carvalho ficaram resolvidos logo na altura da saída definitiva, em 2014, o médio até elogia o trabalho do presidente. "Quando este presidente assumiu o cargo, eu estava fora. Quando voltei, ele reduziu os gastos, conseguiu colocar as finanças em dia. Trabalhou muito", sublinhou. 
Quem também mereceu rasgados elogios foi Jorge Jesus, "o melhor de Portugal e um dos melhores do mundo". Na comparação com Tite, atual selecionador brasileiro, Elias ficou dividido. "O Jesus cobra mais, o Tite é um pouco diferente. Conversa bastante. Mas cobra quando precisa de cobrar também. Considero que eles têm estilos perecidos, mas com uma forma de conversar um pouco diferente. São excelentes técnicos", garantiu.

Autor: Sérgio Krithinas