Depois da ausência no jogo com o Famalicão, para a Taça de Portugal, Coates está de regresso ao centro da defesa para enfrentar o Borussia de Dortmund, na Liga dos Campeões. Em boa verdade, o defesa tem sido um dos jogadores mais influentes neste início de época e antes do encontro com os famalicenses era mesmo um dos totalistas da equipa, com um total de 810 minutos efetuados.

A sua ausência com o Famalicão foi, por isso, uma forma de Jorge Jesus gerir a equipa, até porque Coates tinha estado ao serviço da sua seleção [n.d.r.: efetuou 180 minutos, contra a Venezuela e Colômbia], razão pela qual apenas chegou a Lisboa na quinta-feira, dia do encontro com o Famalicão. Ora, com este enquadramento, Jesus optou por poupar o central, até para este se apresentar nas melhores condições frente à equipa do Borussia Dortmund, num jogo em que o Sporting pode muito bem definir o seu futuro na Liga dos Campeões.

Com a integração de Coates, de 26 anos, Jorge Jesus recupera aquela que tem sido a dupla que mais tem jogado, isto partindo do pressuposto de que o treinador do leões vai utilizar Rúben Semedo, que está recuperado da lesão muscular que o colocou em sérias dúvidas para o terceiro jogo do Grupo F da Liga dos Campeões, frente aos alemães.

Estatura e golos

A utilização de Coates significa não só apresentar uma dupla bem mais rotinada – que atuou em conjunto em todos os encontros, à exceção daquele que os leões disputaram com o Famalicão – mas também dispor de alguém com uma estatura assinalável (1,96 metros), ainda para mais quando o adversário é exigente do ponto de vista físico. Por outro lado, Coates é um elemento sempre a ter em conta nas bolas paradas ofensivas e até ao momento contabiliza mesmo 3 golos marcados, com Marítimo, Estoril e V. Guimarães, registo esse que o aproxima da melhor temporada da sua carreira, ao serviço do Nacional Montevideo, quando marcou 4 golos (2008/09). No fundo, este mais é um indicador que determina a importância de Coates na equipa do Sporting, tanto no capítulo defensivo como ofensivo.


Autores: Alexandre Carvalho e António Adão Farias