O olho clínico de José Peseiro permitiu descortinar em Xeka um trunfo com grande potencial para ser protagonista no Sp. Braga. O jovem de 21 anos, que tem como base a equipa B, foi lançado como titular na Taça de Portugal, frente à AD Oliveirense, justificando como médio-centro a expectativa criada em torno da sua evolução.

Nas camadas jovens do Gondomar era tido como um sósia de Schuster, acabando por ser contratado pelo Valencia com apenas 16 anos. Não se impôs, tendo como ponto de viragem na carreira o trabalho que realizou com José Alberto Costa no Sp. Braga B, em 2013/14.

"Desde logo reconhecemos as suas qualidades, principalmente na dimensão que metia no jogo em termos de passe, decisões e organização, sem esquecer o remate, dado que remata muito bem. Onde ele tinha de melhorar era nos níveis de intensidade e agressividade, o que me levou a ter várias conversas com ele a esse respeito. Melhorando nesses aspetos, direi que atingirá um ótimo nível. O resto ele tem", frisa José Alberto Costa.

Após uma primeira passagem pela formação secundária dos arsenalistas, Xeka representou o Sp. Covilhã durante duas épocas e regressou mais maduro, com efeitos que estão à vista. "Não me admira a sua evolução e fico satisfeito por ele. Trata-se de um 8 que quase podia ser um 10, dadas as suas características ofensivas, mas que recuando para 6 também dava amplitude ao jogo", lembra Costa, confirmando o perfil ‘box to box’ do médio que Peseiro lançou. 


Autor: Vítor Pinto