A vida dos centrais dos guerreiros do Minho não está fácil. Entre os quatro do plantel, três estão no ‘estaleiro’ e só Rosic, que chegou esta época, se encontra disponível. Artur Jorge, que é prata da casa e estava na equipa B, já saltou para a equipa na Luz, quando André Pinto se lesionou também e se juntou no departamento médico a Ricardo Ferreira e Emiliano Velázquez. Mas nem tudo são más notícias para o professor José Peseiro. André Pinto trouxe da Luz um problema na planta do pé e vai falhar o jogo com o V. Setúbal, no próximo sábado. Mas tudo indica que já estará apto para ser chamado para a convocatória para o segundo jogo europeu da temporada, na próxima 5ª feira, em Lviv, na Ucrânia, frente ao Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca.

Para o técnico dos bracarenses a manta está muito curta em relação aos centrais mas esta perspetiva causa algum alívio, com o capitão a regressar num jogo importante para o percurso na equipa na Liga Europa, frente ao líder do seu grupo e depois de um empate em casa frente ao Gent. Agora, José Peseiro só tem de fazer figas e esperar que se concretize o regresso de André Pinto, o patrão da defesa, precisamente em Lviv, onde o Shakhtar disputa os seus jogos devido ao conflito que ainda se sente em Donetsk.

Até lá, Peseiro irá continuar a confiar na juventude e na raça de Artur Jorge, um jovem de 22 anos feito na casa e que é filho do antigo capitão bracarense com o mesmo nome de guerra.


Quanto a Emiliano Velázquez terá de ser preciso esperar pelo menos mais duas semanas para que o uruguaio possa de novo estar em condições de ser utilizado. Quanto a Ricardo Ferreira, que contraiu uma lesão ligamentar no final de julho, impõe-se mais algum tempo de espera. O central que na época passada rodou no eixo defensivo com André Pinto e Boly deverá regressar ao trabalho sem limitações em meados de outubro, quando José Peseiro espera poder ter de novo os seus quatro centrais completamente disponíveis. Se mais nada acontecer...

Autor: Eugénio Queirós