O treinador do Boavista considerou esta quarta-feira que a sua equipa terá de ser "muito forte a defender e muito inteligente a atacar" no jogo fora com o Marítimo, marcado para sexta-feira e a contar para 8.ª ronda da Liga NOS.

Miguel Leal, que na semana passada rendeu Erwin Sánchez no comando técnico do conjunto 'axadrezado', fez para a comunicação social a antevisão da partida com os madeirenses e começou por dizer que as primeiras impressões sobre a sua nova equipa são "excelentes".

"Gosto do empenho, da dedicação e da entrega", destacou, declarando-se "satisfeito".

O técnico boavisteiro estreou-se com o pé direito, vencendo fora a U. Leiria (0-2), em jogo da 3.ª eliminatória da Taça de Portugal, e agora segue-se novo encontro em casa alheia, desta feita diante do Marítimo, mas para o campeonato.

"O que temos de fazer é um jogo muito forte a defender e muito inteligente a atacar, porque vamos enfrentar uma equipa recheada de grandes valores e que também está num momento positivo. Por isso, temos de estar muito concentrados naquilo que treinamos durante a semana", afirmou Miguel Leal.

O treinador acrescentou que teve "poucos dias" para preparar a partida com o Marítimo e reforçou a sua análise dizendo que o Boavista terá de ser muito inteligente quando tiver a bola, para não a perder e para conseguir fazer golos.

Migue Leal insistiu na ideia de que o "seu" Boavista tem de ser "mais inteligente" com a bola, criar "mais linhas de passe", jogar com "mais profundidade" e reagir com "maior rapidez" à perda da bola, caraterísticas que aprecia nas suas equipas.

O treinador disse ainda estar "a ponderar" mudanças na equipa para o jogo com o Marítimo.

"É importante jogar com o aspeto psicológico interno, porque o externo não o controlamos. É importante também controlar as forças e as fraquezas do adversário e, em função disso, podemos ter que fazer uma ou outra alteração. Tenho algumas ligeiras dúvidas", afirmou, sem, porém, especificar.

Quanto às forças do adversário, destacou que o Marítimo é "uma equipa de profundidade, muito rápida no contra-ataque e muito forte nos lances de bola parada".

Miguel Leal quer que o Boavista chegue aos 30 pontos o mais rápido possível, para conseguir a permanência. "Ter oito pontos quer dizer que ainda faltam 22 pontos e o objetivo tem que ser conquistar pontos já no jogo seguinte. Este tem de ser o norte, tentando ganhar todos os jogos ou, não podendo ganhar, empatar", sustentou.

Segundo afirmou, o Marítimo-Boavista vai ser "um jogo de equilíbrio de forças e quem cometer menos erros ganha" e o seu objetivo "é, sempre, ganhar".

Após afirmar que ainda só tem "coisas boas" para dizer da sua nova equipa e que ainda está "numa fase de conhecimento", o treinador identificou como aspeto positivo "as bolas paradas, especialmente nos cantos, porque já tem feito vários golos"

Autor: Lusa