Daniel Ramos foi apresentado esta quinta-feira como treinador do Marítimo, o que considerou ser uma "grande oportunidade" de orientar o clube madeirense e de se estrear na Liga NOS, depois de deixar o Santa Clara.

As negociações entre os dois clubes foram complicadas devido ao trajeto positivo do emblema açoriano, segundo classificado na 2ª Liga, com seis vitórias e um empate em sete jogos, mas Daniel Ramos destacou o papel do presidente 'verde rubro', Carlos Pereira, no desfecho.

"Não foi fácil chegar a acordo. Da parte do Santa Clara houve uma enorme vontade que eu continuasse, porque o percurso estava a ser muito bom. Por outro lado, representar o Marítimo e perceber a enorme força que o presidente Carlos Pereira estava a fazer para a minha vinda, era sentir que estava a ser desejado e isso é muito importante para um treinador", afirmou aos jornalistas na chegada ao Aeroporto da Madeira.


Naquilo que considera ser um "grande desafio" em tentar tirar o Marítimo do 17.º e penúltimo lugar da tabela e também uma "grande oportunidade", Daniel Ramos espera ser feliz novamente na Madeira.

"Apesar de todas as dificuldades desta maratona, sinto um grande orgulho em estar novamente nesta ilha, por onde passei e fui feliz, e assim espero que também aconteça nesta segunda passagem", referiu, lembrando a época 2010/2011, quando fez subir o União da Madeira à 2ª Liga, ao conquistar a 2ª Divisão (agora denominado Campeonato de Portugal).

O objetivo passa agora por avaliar o plantel e ver onde a equipa pode chegar, com a mentalidade de querer ganhar e dar alegrias aos adeptos.

Daniel Ramos assina pelo Marítimo até ao final da temporada 2018/2019, esclareceu Carlos Pereira, que revelou ainda que o técnico de 45 anos esteve para chegar à Madeira em vez do antecessor, o brasileiro Paulo César Gusmão, que rescindiu o contrato na segunda-feira.

"O Daniel esteve para vir para cá no início da época. Optei, e toda a responsabilidade é minha, por um treinador mais experiente. Era o Daniel que devia cá estar, não devia ter alterado a minha linha de orientação, mas corrigi a tempo", adiantou.

O presidente maritimista espera que o novo técnico esteja já no banco de suplentes no domingo, na partida caseira com o Tondela, que traga um estilo de jogo, algo que a equipa "não tinha", e que seja uma "surpresa bem agradável" para todos.

Autor: Lusa