Feliz pela atitude demonstrada pelos seus jogadores diante do Gafanha, Nuno Espírito Santo enalteceu o sentimento de missão cumprida com o apuramento para a ronda seguinte da Taça, apontando depois baterias para o duelo da Liga dos Campeões, diante do Club Brugge, marcado para terça-feira.

"Cumprimos com a nossa obrigação, que era vencer o jogo. Fizemo-lo de forma contundente. Os jogadores perceberam que este era o jogo mais importante, fizeram a sua obrigação e seguimos em frente na Taça", começou por dizer, à SportTV.

A utilização de vários jogadores titulares nesta partida - especialmente na zona ofensiva -, ante uma equipa de escalões secundários deveu-se, segundo Nuno à necessidade de consolidar processos. "São decisões que tomamos... A última vez que jogámos juntos foi no dia 1 e era importante voltar a estar juntos, para as ideias serem consolidadas. Um dos objetivos foi conseguido e agora é continuar o crescimento. Vem aí a Champions e estamos preparados", garantiu.

Ora, segundo Nuno, mesmo sendo com uma equipa teoricamente mais fraca, esta partida era vista como uma 'armadilha'. "Os jogadores souberam desde o primeiro momento que este jogo era uma armadilha. Há pouco a ganhar e muito a perder em jogos destes. Mas os meus jogadores não quiseram correr riscos e cumpriram a sua missão", frisou.

A finalizar, o técnico portista enalteceu a profundidade do seu plantel, isto depois de Depoitre ter também ele marcado. "Temos opções no plantel. Os 26 jogadores que temos a trabalhar connosco são todos importantes. A intensidade e competitividade internas são fundamentais para que a equipa cresça. O Depoitre pode dar muitas coisas. O André Silva também o fez, o Jota também e todos igualmente. Há muito caminho para percorrer no crescimento que temos para esta equipa", finalizou.

Autor: Fábio Lima