Além de ser o mais experiente jogador da U. Leiria, o brasileiro Anilton é, também, o único do plantel que conhece Vítor Oliveira, com quem trabalhou no Moreirense em 2013/14, garantindo uma das várias subidas do treinador ao escalão principal. Domingo, em jogo da Taça de Portugal, o central vai reencontrar o antigo técnico e terá pela frente um dos clubes (o Portimonense) que representou em Portugal, o que torna o jogo "especial".

"Todos os jogos são importantes, mas este tem um cariz diferente. Vou ter o prazer de defrontar um clube que defendi durante duas temporadas e, além disso, posso dar um abraço a um treinador que me ensinou muito", admite Anilton, de 36 anos, esclarecendo, porém, que "quando o jogo começar tudo fica para trás e o único objetivo é ajudar a União a conseguir um resultado positivo".

Há uma década a jogar em Portugal, com uma curta passagem pelos romenos do Pandurii, o brasileiro cumpre a segunda época em Leiria e acredita que a equipa, após um arranque em falso, encontra-se "no caminho certo". "Estamos a entrar no eixos e a conseguir assimilar o que nos foi pedido", afiança o defesa, que espera "grandes dificuldades" frente ao líder do escalão secundário.


"O Portimonense é um forte candidato à subida, tem uma boa equipa e um treinador cujo currículo fala por si. Sabemos que será difícil, mas também que temos qualidade para fazer um bom jogo e lutar pelo apuramento", remata.

Autor: Joaquim Paulo