O Feirense já soma nove pontos no campeonato e os adeptos bem podem agradecer a Vítor Bruno os últimos conquistados no Bessa. Com o jogo empatado, o lateral surpreendeu, em período de descontos, ao marcar de livre direto. Foi o seu 15º golo como sénior e mais um de belo efeito para enriquecer o DVD pessoal. Nele já constava um remate certeiro em pleno Estádio de Alvalade que Rui Patrício apenas seguiu com os olhos, vários chapéus de belo efeito quando representava o Penafiel, uma trivela vistosa que decidiu um jogo na Vila das Aves, um golo na Roménia pelo Cluj ao Steaua Bucareste em plena área como se fosse um ponta-de-lança nato e até de penálti já marcou quando pelo FC Porto festejou a conquista da Liga Intercalar.

A polivalência que demonstra em campo – tanto faz lateral como extremo –, Vítor Bruno, de 26 anos, revela também na hora de rematar à baliza, trunfo que pode dar muito jeito a José Mota e ao Feirense. A glória no Estádio do Bessa foi apenas mais um momento de felicidade numa carreira algo conturbada mas sempre em crescendo. O esquerdino foi descoberto por olheiros do FC Porto em... Lisboa, quando disputava um torneio interassociações. Deixou o Famalicão e chegou até aos juniores dos azuis e brancos. Cresceu com Abdoulaye, Josué e Diogo Viana, entre outros, levantou a Liga Intercalar como já se referiu, mas deixaria o clube em lágrimas, sendo o único do plantel que não mereceu uma chamada aos treinos dos seniores.

Rumou ao Candal, da 3ª Divisão, onde encontrou muitos jogadores amadores, instalações precárias e horários pós-laborais. Deu nas vistas, continuou a evoluir no Ribeirão até chegar à 2ª Liga pelas portas do Penafiel. No primeiro ano pouco jogou e foi no terceiro, quase sempre a extremo, que mais deu nas vistas e marcou nove golos. Há um ano mudou-se para o Cluj. As saudades de casa fizeram-no abdicar de muito dinheiro...

Autores: Ricardo Vasconcelos e Lino de Sousa